Green Building Council exam demo Google exam demo ← Posts antigos
6 outubro

Banca digital gratuita oferece mais de 4300 edições de revistas

Aparentemente, um prato preparado pelo ator Sidney Sampaio, uma entrevista do escritor Jon Krakauer (de Na Natureza Selvagem) e um treinamento para corrida não têm muito em comum. A não ser pelo fato de que este conteúdo está localizado em um mesmo local – e está tudo de graça.

O PLAYREVISTAS, primeiro portal gratuito de revistas do Brasil, reúne mais de 380 revistas de temas variados. Além de áreas como gastronomia, literatura e esportes, como nos exemplos acima, outras 17 recheiam o portfólio desta banca virtual. Ao todo, são mais de 4.300 edições disponíveis, com títulos em português e espanhol.

Seção de treinamento da revista Contra Relógio

Seção de treinamento da revista Contra Relógio

“Além de ser gratuito – que é inédito em aplicativos de bancas no Brasil –, o portal é muito interessante por reunir revistas multidisciplinares do Brasil inteiro, oferecendo uma oportunidade única de acesso a um conteúdo amplo que é um retrato da sociedade brasileira”, avalia Ricardo Holtimann, sócio-fundador da MAGTAB, criadora do PLAYREVISTAS.

A relevância de uma banca de revistas virtual gratuita é que pela primeira vez o conteúdo pensado para revistas, que inclui design diferenciado e material aprofundado, vai estar disponível sem restrições ou limitações de acesso – como é o caso da maioria das newsstands, que oferecem apenas algumas revistas free – as outras, continuam pagas. No PLAYREVISTAS, todos os títulos são gratuitos e oferecem os recursos de uma revista digital, como animações, áudio e vídeo. A interatividade é uma premissa importante e que se relaciona, nesse caso, com a total acessibilidade e a não preocupação pelo preço de informações de alta qualidade.

Prato preparado por Sidney Sampaio – Revista Go Where Gastronomia

O PLAYREVISTAS, além de ser acessível pelo viés financeiro, é interessante também pela pluralidade de assuntos. As opções não se resumem a um seleto grupo de assuntos que apresentam seguidores em comum, e sim toda a gama de interesses – o que gera conteúdo específico para cada área desejada. Serve, então, como fonte de informações para os fãs de esportes, culinária e gastronomia, automobilismo e motor, moda, turismo, design, empresas e negócios, luxo, cultura pop, games, ciência, corrida, artesanato, agronegócio, saúde, pets, entretenimento, horóscopo, meio ambiente, tecnologia… e ainda mais temas.

“Por ser especializada, as revistas trazem a informação muito mais apurada e com curadoria. Nos dias de hoje, temos acesso a muito conteúdo em todas as partes, mas a revista sempre foi e continuará, mesmo no digital, sendo uma fonte de informação de qualidade”, analisa Holtimann. “É como se fosse uma grande biblioteca, onde além dos temas atuais o leitor poderá encontrar um histórico dos assuntos de seu interesse. E, nesse contexto, não há nada que se assemelhe ao que estamos possibilitando ao reunir todas essas publicações em um único canal”.

Capa de reportagem sobre o montanhista Jon Krakauer – MIT Revista

As publicações modernas, além de representarem um elemento essencial para a difusão de informação em vias digitais, têm ainda mais um benefício com a criação do PLAYREVISTAS: a isenção de custo para leitura. Agora, a acessibilidade se torna realmente literal – material de qualidade para públicos com os mais variados hobbies, paixões, interesses e trabalhos – e livre de preços.

Comentários desativados em Banca digital gratuita oferece mais de 4300 edições de revistas

21 setembro

Storytelling para publicações impressas e digitais

O que é uma revista senão uma curadoria de histórias? Desde sua criação, as revistas nasceram com o DNA de aprofundamento de histórias que no dia a dia passariam despercebidas. Algumas revistas, inclusive, têm o storytelling em sua missão, como é o caso da tradicional National Geographic:

“Nós acreditamos no poder da ciência, da exploração e do storytelling para mudar o mundo”

A vantagem das publicações modernas é que as histórias não precisam estar em texto somente. Fazer uso da chamada muliplataforma, ou seja, impulsionar o leitor de um artigo de uma publicação digital para um vídeo ou compartilhar algo – positivo, de preferência – em sua rede social é o gol de todo publisher. Grandes players de mídia como a Sky News e Mashable têm tido sucesso na adaptação de suas histórias publicadas na TV ou em seus sites para as várias redes sociais. No Brasil, quem tem utilizado com sucesso o stoytelling nas várias mídias é a Revista Trip. Produtora de uma grande quantidade de conteúdo, a revista de comportamento é uma boa referência quanto à adaptação dos seus artigos publicados para as várias mídias.
Revista impressa
Matéria completa com oito páginas e uma entrevista com o personagem central da matéria.
Site da Revista
Versão reduzida do texto publicado sem a entrevista com o personagem e outra edição para os textos.

site

 

Facebook
Um GIF com fotos do personagem chama a atenção para um link. O link leva para o editorial da revista, que trata do tema da matéria.

surfista

 

Instagram
Uma das imagens do personagem é ladeada pelas hashtags #Surf #Havaí #Waimea

insta

 

Twitter
Foto não utilizada nas outras redes sociais é o chamariz para o link que leva para o site.

twitter

É possível ganhar dinheiro com sua revista digital. Confira o nosso post que traz dicas e cases de quem monetiza bem seu conteúdo online. 

Ampliando um pouco o leque de casos de sucesso em storytelling, selecionamos alguns cases recentes que levam a contação de histórias para diversas mídias e eventos.

Case Desperados

A marca Desperados foi patrocinadora do projeto “Madrugada Desperada”, série do canal Urban Feed e apresentada por Fernanda Young, que contava a história de artistas de rua da madrugada paulistana. Além da série, em abril e maio desse ano surgiu a “Galeria Desperada” que contou com instalações artísticas de personagens da série e oito festas na Galeria Ouro Fino, representante da cultura urbana de São Paulo.

Case Stella Artois

A cerveja Stella Artois financiou um documentário que foi fonte para uma campanha sobre o desaparecimento dos anúncios pintados à mão nos edifícios de Nova York. O documentário contava com depoimentos de artistas que ainda fazem esse tipo de trabalho nos muros da cidade.

Case American Express

A marca de serviços financeiros American Express desenvolveu um documentário com o objetivo de mostrar ao público mais sobre as comunidades carentes dos Estados Unidos.  O documentário mostra como são cobrados altos tributos para famílias carentes que utilizam o serviço de empréstimo e como a indústria de serviços financeiros e o governo podem ajudá-las.

Case Vans

A marca de tênis Vans foi responsável por uma série de documentários que contam a vida de jovens artistas e atletas que inspiram outras pessoas por conta da sua expressão criativa. A marca sempre foi conhecida por seus documentários. Seu primeiro sobre a cultura do skate foi lançado em 2001.

Caso Gillete

A marca de lâminas de barbear Gillete criou um pequeno filme de apenas 5 minutos que conta sobre como o beijo está em decadência e pode ficar prejudicado por conta dos pelos faciais. O documentário entrevista homens e mulheres para saber quando foi a última vez que eles beijaram alguém e se as mulheres se incomodam com barbas e bigodes.

Comentários desativados em Storytelling para publicações impressas e digitais

7 setembro

Como a MAGTAB chegou à final do InovativaBrasil

Nos dias 27, 28 e 29 de agosto de 2016 foi realizada a grande final do InovativaBrasil, um dos maiores programas de aceleração para negócios inovadores do Brasil. O InovativaBrasil é promovido pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e tem como parceiros o SEBRAE e o SENAI.

A MAGTAB participou de todas as fases do processo, iniciado com a inscrição em março deste ano. Ao todo, mais de 1100 empresas e startups de todo o Brasil participaram do processo, sendo que para a segunda fase apenas 300 foram selecionadas.

“Em julho, na fase regional do InovativaBrasil participamos de um bootcamp de networking e mentoria individual com empreendedores, executivos de médias e grandes empresas, investidores e consultores”, comenta Ricardo Holtimann, sócio-fundador da MAGTAB.

magtab finalista inovativabrasil

MAGTAB finalista do InovativaBrasil

Para a última fase, apenas as melhores 115 startups de todo o país tiveram acesso. Nos três dias de evento, ocorreram diversas mentorias, dinâmicas, oficinas, muita conexão e troca de ideias, não só com possíveis investidores como também entre as próprias participantes.

Quer saber como ter sua própria revista digital, veja as dicas de quem já está no mercado. 

Para os mais de 100 investidores e clientes presentes, a MAGTAB apresentou seu novo produto em pré-lançamento, a plataforma de artigos. “Ficamos entre os finalistas do InovativaBrasil após apresentarmos nosso novo produto. A plataforma de artigos irá aliar a experiência de leitura de alta qualidade já presente na nossa plataforma com atributos digitais de indexação, links e compartilhamento”, avaliou Holtimann.

Como prêmio pela presença entre os finalistas do InovativaBrasil, as startups ganham uma série de apoios e acesso à parcerias como, por exemplo, editais do SESI e SEBRAE e ferramentas de promoção e divulgação.

Comentários desativados em Como a MAGTAB chegou à final do InovativaBrasil

24 agosto

Revistas customizadas: uma história de sucesso

Revistas customizadas crescem no mercado de comunicação pela proximidade com o leitor e menor custo de produção e distribuição

Marcas como Antarctica, Pirelli e Shell são exemplos históricos de como oferecer       informação relevante e ao mesmo tempo cativar o seu público. As revistas Antarctica Ilustrada, Notícias Pirelli e o famoso manual Shell Responde foram durante décadas veículos que transmitiram informações e os valores de cada marca diretamente para o público interessado.

Revista Pirelli
Shell Responde

Essa forma de publicação ganhou recentemente o nome de revista customizada, ou seja, são focadas no que ‘customer’ deseja ler. Em 2007, no Brasil, havia cerca de 50 títulos incluídos nesta categoria. Hoje, menos de 10 anos depois já se aponta que este número seja superior a 300 publicações. “As revistas customizadas foram reconhecidas como um recurso de marketing de relacionamento mais eficaz e íntimo, em comparação com a propaganda convencional” respondeu o consultor Dário Caldas, ao Portal da Comunicação.

Revista MIT

Nos Estados Unidos, um estudo da Roper Public Affairs and Media, constatou que 78% dos norte-americanos acreditam que a publicação customizada é o meio mais eficaz para as empresas falarem de seus produtos e serviços. Lá, sete em cada 10 revistas são customizadas.

No Brasil, o boom das customizadas aconteceu na metade dos anos 2000 quando a intenção das marcas de diferenciar sua comunicação encontrou editoras especializadas na produção destes produtos. Uma das editoras é a CMN, de São Paulo. O que começou com a produção de poucas publicações hoje se tornou uma máquina de produção de mais de 20 títulos.

Revista Bergerson

“Fazemos uma pesquisa de mercado, público e perfil do cliente para então apresentar uma proposta de publicação bem direcionada”, afirma Glauco Piccirillo da Silva, Diretor Editorial da CMN. “Formatamos então o produto final em conjunto com a equipe de marketing da empresa”, completa.

A experiência de anos no mercado de revistas customizadas faz Glauco Piccirillo destacar as principais vantagens deste tipo de publicação:

1) Fidelização

2) Possibilidade de apresentar um vasto portfólio em uma única mídia

3) Circulação ampliada pelo público-alvo (uma revista circula pelos interessados)

4) Posicionamento de marca

E o caminho natural destas publicações foi o ambiente digital. Assim, além de assuntos e uma linguagem direcionada ao seu público-alvo, agora as revistas também teriam uma distribuição mais rápida e barata. Foram esses fatores que fizeram a Cecrisa, uma das maiores cerâmicas do Brasil, adotar o digital como plataforma para suas publicações.

“Publicamos nossas revistas desde 2011 e o objetivo sempre foi o de disponibilizá-las em meio digital, através do aplicativo. E nossos objetivos de levar nossa comunicação direcionada a vários clientes, sem aumento no custo, têm sido atingidos”, relata Sabrina Bett, gerente de marketing e Produto da Cecrisa.

Apesar da franca tendência de adoção do digital como ferramenta de divulgação das publicações direcionadas, um levantamento da Associação Nacional de Editores de Revistas (Aner) mostrou que ainda há muito a se evoluir na experiência digital que as revistas proporcionam aos leitores. Das 100 revistas mais importantes do Brasil, apenas 21 tem conteúdo responsivo, ou seja, estão perfeitamente adaptadas às plataformas como smartphones e tablets. “Hoje, metade dos usuários acessa conteúdo pelo celular”, atesta Alessandro Gerardi, diretor da Aner. “Esse dado só vai crescer. Então, 100% das revistas deveriam, desde já, estar prontas para este mercado”, completa.

BOX 1 

Tendências do mercado de revistas digitais

1) Foco no ‘Millenials’.

Pessoas entre 18 e 35, superconectadas e que tem a maior parte de sua vida dentro do digital, estão entrando em faixa maior de consumo.

2) Vídeo é o Rei.

Cada vez mais as visualizações de vídeos têm superados as curtidas e compartilhamentos de posts de textos ou fotos. E essa diferença deve aumentar cada vez mais.

3) Compra de conteúdo.

Pesquisas atestam que se o conteúdo chegar até seu público, ele não é visto como custo mas como investimento, entretenimento. E assim, mais apropriado a ser vendido.

4) Edições ‘momentais’.

As publicações devem buscar cada vez menos ficarem atreladas aos prazos de edições mensais, semanais, quinzenais, e trabalhar para chegar à edições de momento, que trazem a qualidade de cobertura de uma revista com a rapidez de um jornal.

Comentários desativados em Revistas customizadas: uma história de sucesso

9 agosto

Revista Digital dá dinheiro? Confira opiniões e dicas

magtab dinheiro revistas digitais

Há alguns meses, a MAGTAB realizou uma pesquisa com vários editores de revistas digitais. Entre vários aspectos identificados, um chama muito a atenção daqueles que já têm ou pretendem desenvolver uma publicação digital: como rentabilizar o conteúdo. Perguntas como “revista digital dá dinheiro?” ou “Como cobrar pelo meu conteúdo um valor que o cliente esteja disposto a pagar?” são bens comuns no setor e a opinião de alguns editores pode ajudar na resolução destas dúvidas.

Quais os tipos de publicidade digital você utiliza para rentabilizar a sua revista?

Banner no SITE   54.8%

Publicidade digital dentro da revista        54.8%

Publicidade da ADMAG     32.3% *

Google Adsense        16.1%

Outros       16.1%

* A ADMAG é um serviço de publicidade de rede (adnetwork) focado exclusivamente no formato de revista digital em aplicativos.

Para os editores, a mudança para o ambiente digital permitiu uma redução significativa nos custos de produção. “Atuamos na área de comunicação há 20 anos, nos últimos dois anos quase abandonamos as publicações impressas. Hoje, o público busca notícias rápidas e quentes”, afirma um editor de revista digital que respondeu a pesquisa anonimamente.

FORMAS DE RENTABILIZAR SUA PUBLICAÇÃO

magtab rentabilizar revistas digitais

Pacote de formas de rentabilizar sua publicação pode garantir a sustentabilidade de seu produto

Caso você esteja iniciando sua publicação no meio digital ou deseja ampliar seu portfólio de receitas advindas da internet, abaixo colocamos algumas formas tradicionais e inovadoras de capitalizar seu conteúdo.

Dividimos os canais de receita em advindas de anunciantes e advindas do leitor.

5 canais de receita advindas de anunciantes

  • Anúncios fixos
  • Anúncios temporários
  • Classificados
  • Webinars patrocinados
  • Eventos de lançamento de edições

4 canais de receita advindas do leitor:

  • Clube de benefícios
  • Cursos online e offline
  • Evento para leitor
  • Ebooks para nichos de leitores

Dicas de storytelling pode ajudar você a fazer bombar seus artigos. Clique e dê uma olhada. 

Com essas ideias na cabeça, é necessário montar um planejamento mais amplo de ativação dos canais de receita. Para isso, normalmente são executados os seguintes processos:

Plano de conteúdo:

Antes de começar a publicar, reúna todos os integrantes de sua equipe e faça um grande brainstorming de temas possíveis de publicação. Siga a regra básica do brainstorming de “não criticar, nem elogiar” qualquer ideia, permitindo que todos possam contribuir. De posse desta nuvem de temas, um grupo menor vai refinar os assuntos e criar uma hierarquia de publicação com base em 3 pilares: apelo de público, ineditismo e potencial de compartilhamento.

Plano de Audiência:

Você deve garantir que todos os seus produtos e plataformas estão focados em atrair a melhor audiência. Aqui, além de uma pesquisa de público leitor, é essencial entender como este público tem procurado seus interesses na internet. Ou seja, uma lista de palavras-chave, entender as sazonalidades de busca e o perfil de consumo estão incluídos neste plano de audiência.

Plano de receita:

Se você esta vendendo patrocínios, assinaturas ou compras individuais é importante que use preços e combos para aumentar a renda e diminuir os custos com venda. No seu plano de receita, você vai identificar novos produtos mais rentáveis, ajudando a capitalizar produtos existentes.

Plano de organização:

Definir perfil dos profissionais, tempo dedicado à sua publicação e ferramentas necessárias é o primeiro passo. Com os recursos definidos, caminhe na elaboração de um cronograma semanal ou mensal que englobe todas as atividades e fique claro para todos os envolvidos.

Plano de métricas:

Muitos anunciantes tem rumado para os anúncios no ambiente digital pela grande capacidade de rastrear o valor investido em mídia. Assim, antes de começar suas publicações, planeje como será a medição dos resultados alcançados. Hoje existem várias ferramentas gratuitas e pagas que ajudam os editores a monitorar aquilo que mais gerou interação e consequentemente, capacidade de veiculação de anúncios.

Na MAGTAB, além dos relatórios que a plataforma oferece, você pode integrar sua revista com o Google Analytics. Veja como na nossa página de ajuda: https://ajuda.magtab.com/Relatórios_pelo_Google_Analytics

Com estas orientações, a chance de fazer da sua publicação digital um gerador de receita vai aumentar bastante.

Comentários desativados em Revista Digital dá dinheiro? Confira opiniões e dicas

25 julho

Storytelling: você já faz e não percebeu

Era uma vez, um príncipe vivia em um castelo onde nada de ruim era visto. O rei queria poupar seu filho das dores do mundo e fazia de tudo para que somente alegrias fizessem parte do seu dia. Até que um dia, ao escapar com um servo para fora do castelo, o príncipe viu a doença, a morte e a velhice. Eis que a curiosidade causada por estas visões fez o jovem iniciar uma jornada de busca para resolver os problemas do mundo. Depois de passar por desafios e ensinamentos, consegue chegar à iluminação e às respostas às suas primeiras perguntas. Assim, deixa um legado de sabedoria para a humanidade.

O parágrafo acima retrata a clássica estrutura da jornada do herói, o mais certeiro roteiro de storytelling de todos os tempos. Seja com a história citada acima de Sidharta Gautama, o Buda, ou com o Homem-Aranha ou com as histórias que personagens cotidianos, o esquema de criar e resolver conflitos atrai público desde sempre.

A CLÁSSICA JORNADA DO HERÓI

Fase Exemplo
1) Criar o cenário Era uma vez…
1) Surge o problema Até que um dia…
2) Identificação do problema Eis que…
3) Luta para resolver o problema Depois de…
4) Resolução e final feliz Assim, então

 

O termo storytelling ou contação de histórias pode parecer novo mas esteve desde sempre na comunicação das pessoas. O que acontece é que, com o excesso de informação disponível, passamos a selecionar rapidamente aquilo que nos interessa e o que não nos interessa. E aí que se retoma a importância da arte de contar histórias.

Segundo o especialista em conteúdo cultural Rodrigo Cogo, para se contar uma boa história é necessário entender suas etapas: “ouvir, aprender, descobrir, explorar, criar, comunicar e encantar”.

As marcas têm se utilizado cada vez do storytelling para defender suas bandeiras, lançar campanhas e fixar suas mensagens no público. Clique abaixo para conferir 3 exemplos de histórias bem contadas:

Chipotle

O premiado comercial da Chipotle ganhou o mundo em 2012 com as regras de ouro do storytelling: simplicidade, emoção, empatia com uma necessidade das pessoas. E para não deixar brechas pra alguém escapar, ainda colocam Willie Nelson cantando Cold Play. E a bandeira levantada com este comercial de 2012 teve continuação em 2014 com outro vídeo premiado:

 

Lego

A história da criação de Lego rendeu uma animação de mais de 15 minutos. Mas acredite, a história é tão bem contada e recheada de desafios e superações que no fim nem parece muito tempo.

 

 

Under Armour

Este vídeo de 2015 explora a história pessoal da bailarina Misty Copeland, uma das maiores bailarinas da atualidade e considerada uma das 100 pessoas mais influentes do mundo. A música, o áudio ao fundo com voz infantil e o cenário simples fazem deste vídeo um ótimo exemplo de uso da história para vender um conceito, uma ideia.

 

 

Comentários desativados em Storytelling: você já faz e não percebeu

5 julho

7 passos para ter sua própria revista digital

Pessoas produzem histórias todos os dias e reunir as melhores sempre foi o segredo das grandes publicações. Hoje, com a praticidade das ferramentas digitais e da troca de conteúdo está mais fácil compilar e contar histórias, e com um pouco de planejamento é possível produzir um título viável comercialmente e interessante editorialmente.

Neste post, vamos apresentar 7 passos de como fazer uma revista digital e levar seu assunto para o maior número de pessoas. Essas dicas são resultado de nossa experiência de mais de 5 anos na publicação de revistas e já traz os macetes do que funciona e o que não funciona no mercado de digital publishing.

1 – Defina o objetivo de sua revista

Pode parecer óbvio mas responder a esta pergunta abaixo facilita todo o processo de planejamento da publicação e corrige desvios de rota à medida que o projeto avança:

Qual o objetivo da minha revista?

O objetivo precisa ser claramente expresso e de fácil compreensão para os outros. Procure ir além do objetivo básico de informar. Vislumbre como o uso da informação publicada será utilizada pelas pessoas. Exemplos: Fomentar o mercado, Educar o público, Defender a causa.

2 – Quem é seu público?

Por mais entendido no assunto que você seja é essencial fazer entrevistas com quem você imagina ser seu público-alvo. Não fique apenas na estratificação de grupo (Homens, classe AB, 30-45 anos…). Saber gostos, hábitos de compra e detalhar seu público é essencial para o sucesso da empreitada.

3 – Formas de captação de receitas

Existem algumas formas de captação de receitas para uma revista digital. Os tradicionais anúncios de página são os que ainda viabilizam grande parte das publicações. No entanto, considere a possibilidade de assinaturas online. O que tem sido comum em alguns títulos é oferecer algumas páginas ou edições de forma gratuita para atrair o público e então cobrar pelo conteúdo completo. Considere também partilhar seu conteúdo em blogs e ganhar receita por meio do Google AdSense e, caso sua revista tenha uma função social, avalie ações de crowdfunding.

4 – Distribuição

Antes de sair produzindo texto e artes, vale pensar nas formas de distribuição da sua publicação. Além da ferramenta onde estará embarcada – que normalmente tem suas newstands como o nosso Play Revistas (http://playrevistas.com/) – é estratégico que sua revista tenha seu próprio site, um blog para atualizações e redes sociais para compartilhamento de conteúdo. E em todas as ações de divulgação de sua revista pense em formas de formar uma base de e-mails. Assim, não irá depender de mídia e irá diretamente para a caixa de email de seu público.

5 – Design

Aqui são duas dicas simples: bom gosto e experiência. Produzir uma revista requer ambas qualidades e tente não negligenciar nenhuma. Ter um designer com trabalhos de qualidade e reconhecido bom gosto vai lhe garantir surpresas positivas a cada edição e a experiência vai lhe poupar dores de cabeça com encaixe de conteúdo.

6 – Conteúdo

Vamos começar pelo mais importante: boas histórias! Liste uma série de pautas incríveis e que provavelmente irão gerar repercussão. Depois de listar algumas dezenas de histórias (sim, aqui é hora de fazer o brainstorming e soltar a imaginação) faça uma hierarquia de temas de capa, secundários e de menor relevância. Agora se debruce sobre os temas da primeira edição e veja quais as possibilidades de desdobramento de conteúdo. Vídeos, infográficos, animações, áudios? Lembre-se que a capacidade de engajamento de seu público será diretamente proporcional à quantidade (e qualidade) de seus desdobramentos.

7 – Mãos à obra

Com seu planejamento definido e seu conteúdo mapeado, basta colocar sua equipe em ação.

Não esqueça de rechear seus textos com palavras-chave do seu setor (uma passadinha na ferramenta de palavras-chave do Google Adwords é essencial) para indexar seu conteúdo nas ferramentas de busca. E coloque uma atenção no processo final de revisão. Pequenos erros podem gerar um grande dano ao seu trabalho.

Boas publicações!

Comentários desativados em 7 passos para ter sua própria revista digital

18 março

Nova classificação etária no GooglePlay

Caros Editores,

Hoje recebemos um notificação do GooglePlay referente ao novo modelo de classificação de idade para os apps visando adequação aos parâmetros da Coalisão Internacional para Classificação Etária. (International Age Rating Coalition). (texto completo abaixo)

Você Editor, não precisa se preocupar. Nós, MAGTAB, como parte do serviço oferecido iremos realizar os ajustes necessários para assegurar que seu app permaneça ativo e operacional.

Aproveito o ensejo para solicitar que todos acessem suas contas de publicação e verifiquem se os novos contratos foram aceitos. É imperativo que, de tempos e tempos, vocês verifiquem suas contas em ambas as lojas.

Para logar em suas contas acessem:
www.play.google.com/apps/publish (Googleplay) e itunesconnect.apple.com/WebObjects/iTunesConnect.woa (Appstore)

Estamos à sua disposição para sanar quaisquer dúvidas,

Equipe MAGTAB

——

Olá, desenvolvedor do Google Play,
Para ajudar os consumidores a tomar decisões conscientes sobre as compras realizadas no Google Play, apresentamos um novo sistema de classificação para apps e jogos. Esse novo sistema terá como base a faixa etária e será consistente com as práticas recomendadas do setor. Essa iniciativa oferece uma forma fácil de comunicar as classificações do conteúdo locais relevantes e familiares para seus usuários. Isso também ajudará a melhorar o envolvimento com seu app ao segmentar o público-alvo certo para seu conteúdo.
A partir de agora, é possível preencher um questionário de classificação de conteúdo para cada um dos seus apps e jogos e receber classificações de conteúdo objetivas. O novo sistema de classificação do Google Play inclui classificações oficiais da Coalizão Internacional de Classificação Indicativa(IARC, na sigla em inglês) e membros participantes, incluindo a Entertainment Software Rating Board (ESRB), a Pan-European Game Information (PEGI), a Australian Classification Board, a Unterhaltungssoftware Selbstkontrolle (USK) e a Classificação Indicativa (ClassInd). Os territórios que não forem cobertos por uma autoridade de classificação específica receberão uma classificação genérica com base na faixa etária. O processo é rápido, automatizado e gratuito para os desenvolvedores. Nas próximas semanas, os consumidores do mundo todo começarão a ver essas novas classificações do Google Play em seus mercados locais.
Forneça respostas precisas aos questionários dos seus apps para que eles possam ser encontrados pelo público-alvo certo. Depois de receber uma classificação para seus apps, você só precisará refazer o questionário caso uma atualização altere o conteúdo do app de maneira que afete a classificação dele. Saiba mais sobre a classificação dos seus apps
Para ajudar a manter a disponibilidade dos seus apps no Google Play, faça login no Console do desenvolvedor do Google Play e preencha o novo questionário de classificação para cada um deles. Os apps sem questionários de classificação preenchidos serão marcados como “Sem classificação”. Os apps “Sem classificação” podem ser bloqueados em certos territórios ou para determinados usuários. Além disso, todos os apps novos e as atualizações de apps existentes exigirão um questionário preenchido para serem publicados na Play Store. Sua participação no novo sistema de classificação de apps assim como sua conformidade com ele são obrigatórias de acordo com o Contrato de distribuição do desenvolvedor do Google Play. No futuro, os apps que não forem classificados com o novo sistema poderão ser removidos da Play Store.
Agradecemos seu apoio contínuo ao Google Play,?Suporte do desenvolvedor do Google Play
©2015 Google Inc. 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, CA 94043
Preferências de e-mail: enviamos este anúncio obrigatório de serviço por e-mail para informar você sobre alterações importantes na sua conta do desenvolvedor do Google Play.
Hello Google Play Developer,
To help consumers make more informed choices about their purchases on Google Play, we’re introducing a new age-based rating system for apps and games consistent with industry best practices. This initiative gives you an easy way to communicate familiar and locally relevant content ratings to your users and helps improve app engagement by targeting the right audience for your content.
Starting now, you can complete a content rating questionnaire for each of your apps and games to receive the objective content ratings. Google Play’s new rating system includes official ratings from the International Age Rating Coalition (IARC) and its participating bodies, including the Entertainment Software Rating Board (ESRB), Pan-European Game Information (PEGI), Australian Classification Board, Unterhaltungssoftware Selbstkontrolle (USK) and Classificação Indicativa (ClassInd). Territories not covered by a specific ratings authority will display an age-based, generic rating. The process is quick, automated and free to developers. In the coming weeks, consumers worldwide will begin to see these new Google Play ratings in their local markets.
On your apps’ questionnaires, make sure to provide accurate responses to help your app be discovered by the right audience. Once you’ve successfully received a rating for your app(s), you’ll only need to retake an app’s questionnaire if an update changes the content of the app in a way that impacts its rating. Learn more about rating your apps
To help maintain your apps’ availability on Google Play, sign in to the Google Play Developer Console and complete the new rating questionnaire for each of your apps. Apps without completed rating questionnaires will be marked as “Unrated.” Unrated apps may be blocked in certain territories or for specific users. In addition, all new apps and updates to existing apps will require a completed questionnaire before they can be published on the Play Store. Your compliance and participation with the new app ratings system is required under the Google Play Developer Distribution Agreement. In the future, apps that aren’t rated using the new rating system may be removed from the Play Store.
Thanks for your continued support of Google Play,?Google Play Developer Support
©2015 Google Inc. 1600 Amphitheatre Parkway, Mountain View, CA 94043
Email preferences: You have received this mandatory email service announcement to update you about important changes to your Google Play Developer account.


9 fevereiro

Revista Manufatura em Foco: O primeiro aplicativo Informativo do setor no Brasil.

logo_MF_MEDIO

Leve todas as edições da Revista Manufatura em Foco (http://www.manufaturaemfoco.com.br) no bolso, leia onde você estiver e no momento em que precisar.

Idealizada por doutores e mestres em engenharia especializados em negócios, com foco em três dos principais aspectos da gestão de qualquer indústria:

• Produção;

• Comercialização;

• Gestão de custos.

 

image-app-mf-4

 

Baixe agora mesmo na App Store:

https://itunes.apple.com/br/app/manufatura-em-foco/id943516667?mt=8

Ou no Google Play:

https://play.google.com/store/apps/details?id=com.magtab.ManufaturaemFoco

 

image-app-mf

 

CONTEÚDO na WEB:

• Cassos de Sucesso; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/casos-de-sucesso)
• Mercado; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/mercado)
• Eventos; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/eventos)
• Gestão da Manufatura; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/gestao-da-manufatura)
• Gestão Empresarial; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/gestao-empresarial)
• Inovação; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/inovacao)
• Marketing & Vendas; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/marketing-vendas)
• Compras e Suprimentos; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/compras-e-suprimentos)
• Gestão da Qualidade; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/gestao-empresarial)
• Meio Ambiente; (http://www.manufaturaemfoco.com.br/category/meio-ambiente-e-sustentabilidade)
• e muito mais…

 

Mais informações em http://www.manufaturaemfoco.com.br

Comentários desativados em Revista Manufatura em Foco: O primeiro aplicativo Informativo do setor no Brasil.

10 outubro

Lançamento Magtab: “Artesanato”

Conteúdo totalmente gratuito de revistas de artesanato da CasaDois Editora.

logoARTESANATO

 

Reunião de várias revistas sobre artesanato. Opções para diferentes trabalhos manuais. Aproveite para aprender diversas técnicas que vão enriquecer seu repertório e agradar clientes e amigos.
Aumente sua renda, aprenda artesanato hoje mesmo!

 

Baixe o app através dos links e confira:

App Store (ipad, iphone e ipod): 
https://itunes.apple.com/br/app/artesanato/id915896030?l=pt&ls=1&mt=8
 
 
Google Play (tablets e smartphones com sistema Android):
https://play.google.com/store/apps/details?id=com.magtab.Artesanato
 

 


← Posts antigos